América Latina / Brasil

Petroleiros madrugam firmes na greve nacional

Imprimir
Sábado, 24 Dezembro 2016
Acessos: 2463

Se Papel Noel madruga na véspera de Natal, os petroleiros não fazem diferente. Em continuidade a greve nacional da categoria o movimento grevista do Rio de Janeiro puxado pelo SINDIPETRO-RJ junto com suas bases continuou nesta madrugada (24), a greve e corte de rendições em unidades operacionais como Terminal Aquaviário Baía de Guanabara (TABG).

 Imagem: Rafael Gonzaga

O movimento nacional de greve, iniciado na última sexta-feira (23) ganha adesões em todas unidades operacionais da Petrobrás com atrasos, cortes de turnos e greve de fato. Além de rejeitar de norte a sul do país a quarta proposta da companhia, os petroleiros de todo o Brasil vêm transformando a véspera de natal em um período de luta. Pela primeira vez, nesta campanha reivindicatória, se consolidam paralisações envolvendo os 17 sindicatos do país ligados a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) e Federação Única dos Petroleiros (FUP).

Um exemplo disso é o que acontece no Litoral Paulista. No Tebar, em São Sebastião, o grupo que estava no terminal saiu e deixou a operação nas mãos dos empregados com cargo de chefia. Na RPBC/UTE, em Cubatão, na noite de ontem os dirigentes do Sindicato colheram dos trabalhadores de turno que não foram rendidos na manhã deste sábado (24) a assinatura do Termo de Entrega da Operação para o Grupo de Contingência.

Imagem: Sindipetro-LP

A Petrobrás insiste na manutenção da proposta de redução de jornada com redução salarial em 25%, sem qualquer discussão sobre os critérios estabelecidos com as entidades sindicais. Além disso, a empresa propõe reajuste salarial parcelado e abaixo da inflação. Na quarta e última proposta, o valor oferecido foi de 6% a partir de setembro de 2016 (data-base da categoria) e mais 2,8% a partir de fevereiro de 2017. Nem Papai Noel com sua conhecida boa vontade aceitaria uma proposta tão indecente como o informe do próprio RH da Petrobrás reconhece no último ofício para a FNP.

 

 

 

 Fonte: SINDIPETRO-LP