América Latina / Brasil

Argentina para contra as reformas recessivas de Macri

Imprimir
Terça, 07 Março 2017
Acessos: 1729
Compartilhar

Uma greve geral contra as medidas recessivas do governo Macri paralisou o país nesta terça-feira, 7 de março.

Por Fatima Lacerda


Alba movimientos socialesA paralisação foi convocada pela Confederação Geral do Trabalho da Argentina (CGT) e pela Central de Trabalhadores da Argentina (CTA).Um número incalculável de pessoas ocupou as ruas. Fecharam escolas, aeroportos, comércio. O principal aeroporto do país suspendeu os voos, em consequência da greve dos aeroviários. Nem os jogadores de futebol ficaram de fora. No início do mês, o campeonato nacional teve que ser adiado. Macri suspendeu o repasse de uma verba à Associação de Futebol Argentino que garantia o salário dos atletas.

Desde que assumiu, Maurício Macri vem implementando medidas diametralmente opostas às políticas adotadas por seus antecessores, Nestor e Cristina Kichner, que governaram o país entre 2003 e 2015.

Macri – como Temer – tem ido com muita sede ao pote, usurpando direitos sociais e trabalhistas numa velocidade ímpar. Mas já começa a colher os frutos amargos das escolhas que fez, alinhado com a tendência ultraconservadora e neoliberal que assola o mundo.

A vitoriosa greve geral acontece num ano eleitoral. Em outubro serão eleitos novos parlamentares. Resta saber se a população, insatisfeita com as medidas impopulares, saberá votar. Macri precisa garantir uma bancada ultraconservadora para dar continuidade ao programa de reformas neoliberais, em tudo semelhante aos planos do governo encabeçado pelo PMDB-PSDB  no Brasil.

Professores- a greve de dois dias começou na segunda, 6, e segue nesta terça, alcançando todas as províncias. Os professores querem a reposição salarial de 35%, decorrente das perdas sofridas em 2016. A greve teve forte apoio popular e praticamente todas as escolas argentinas fecharam. A adesão anunciada é de 92% do professorado.

Aeroviários –  Na madrugada do dia 7, 400 tripulantes da empresa aérea Lan Argentina iniciaram uma greve que já afetava, nas primeiras horas do dia, 30 voos internacionais e de carga. A greve foi decretada por tempo indeterminado pelo sindicato da categoria. Os trabalhadores querem repor as perdas inflacionárias sofridas no ano passado e exigem respeito à carga horária legal.

Já a crise no esporte começou depois que o governo rescindiu o contrato de transmissão gratuita dos jogos na televisão. O dinheiro era pago à Associação de Futebol Argentino (AFA), que se encarregava de repassá-lo aos clubes. Sem isso, os jogadores ficaram com os salários atrasados. O início do campeonato chegou a ser adiado. A crise, no entanto, foi contornada, depois que Macri cedeu, fazendo um depósito de 350 milhões de pesos (cerca de R$ 70 milhões) na conta da AFA, para saldar a dívida da rescisão.

Fonte: Agência Petroleira de Notícias (Com informações da Agência Brasil, JB e Globo on line)

Alba movimientos sociales

Compartilhar

Copyright © 2019 Agência Petroleira de Notícias. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre com licença GNU/GPL v2.0

Av. Presidente Vargas, 502, 7º andar, Centro, Rio de Janeiro - RJ, CEP 20010-000 • (21) 2508-8878 Onlink.