Cultura

Fim do Canecão? De novo?

Imprimir
Segunda, 05 Setembro 2016
Acessos: 1217
Compartilhar

A notícia que acordará de surpresa os cariocas neste domingo é de que chega ao fim (de forma involuntária) o movimento de ocupação do Canecão, casa de espetáculos mais importante da cidade, que nos últimos dez anos angustiou o carioca por estar fechada, acumulando deteriorações.

O autor da proeza da reabertura do Canecão foi o movimento OcupaMinc-RJ, formado durante a ocupação do Palácio Capanema, quando o então governo interino extinguiu o Ministério da Cultura.



Em menos de um mês de ocupação, o lugar foi limpo, suas toneladas de escombros removidas e, principalmente, nunca o Canecão acolheu tantas atividades em sua história.

A média foi de impressionantes quatro eventos por dia - de apresentações de medalhões da nossa MPB como João Bosco a primeiros shows de artistas iniciantes, muitos eles de periferia (que nunca teve espaço na programação da casa), até fóruns de debates, cursos e sessões de cinema e teatro.

Todos os eventos foram gratuitos e abertos ao público.

Houve noites em que o Canecão Ocupado recebeu duas mil pessoas. Os que a princípio torceram o nariz atentavam para o perigo de se ocupar um espaço sem, por exemplo, isolamento completo de incêndio.

Não contavam com a responsabilidade e disciplina dos gestores, participantes e colaboradores do movimento. Não contavam com a educação do novo público que lá passou a frequentar. A maioria dos frequentadores cuidava do próprio lixo após cada evento. Obedeciam com senso de cidadania às normas de segurança criadas pelo movimento como, por exemplo, não fumar.

Este blog, observador atento que é da cidade, foi um frequentador contumaz da ocupação nesses menos de 30 dias em que ela durou. Viu nos frequentadores do espaço gratuito mais educação com o espaço público do que nas noites em que frequentou o Teatro Municipal com o ingresso a duzentos reais.

Na segunda-feira, o Canecão passa a ser administrado pela UFRJ que de início colaborou exemplarmente com a ocupação. A Universidade deu uma lição de como deve se portar uma Universidade Pública. Esperemos que as lições ensinadas durante a ocupação do Canecão, desde já o evento cultural do ano, reverbere e inspire a todos. Chega de espaços vazios ou elitizados demais nesta cidade, neste país, no mundo.

De qualquer forma, o movimento OcupaMinC estuda um projeto de co-gestão do Canecão com a UFRJ.

Fica a torcida de todos.

Segue a nota oficial do OcupaMinC-RJ (que seguirá atuando certamente fortalecido pela empreitada) convidando o carioca, para neste domingo, participar do evento de encerramento deste acontecimento tão bem-vindo. Tão comemorado.

"A OcupaMinC-RJ, movimento de resistência ao golpe parlamentar, jurídico e midiático no Brasil, que ocupou o Palácio Gustavo Capanema por 70 dias, promovendo atividades culturais, shows, debates e oficinas gratuitos e hoje ocupa o antigo Canecão, sediado no campus da UFRJ, por 41 dias desenvolvendo as mesmas atividades culturais, encerrará a ocupação do espaço hoje, por motivos de força maior."

"Entende-se que vivemos atualmente em um estado de exceção, onde as forças de repressão são cada vez mais ostensivas e onde os direitos são cada vez menos respeitados. Um grande evento reunindo artistas e apoiadores do movimento será realizado hoje, domingo, 4 de setembro, de 17:00 as 00:00, estão confirmados nomes como Rubinho Jacobina, Pedro Sá, Dany Roland e Gregório Duvivier. A OcupaMinC-RJ mantém seu compromisso com a resistência e a luta pela democracia, que não tem hora para acabar."

Fonte: Dodô Azevedo, no G1.

Compartilhar

Copyright © 2019 Agência Petroleira de Notícias. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre com licença GNU/GPL v2.0

Av. Presidente Vargas, 502, 7º andar, Centro, Rio de Janeiro - RJ, CEP 20010-000 • (21) 2508-8878 Onlink.