Cultura

Gás natural no Brasil: Uma história de muitos erros e poucos acertos

Imprimir
Terça, 06 Dezembro 2016
Acessos: 1937
Compartilhar

Engenheiro carioca lança livro com olhar crítico sobre a indústria e as políticas públicas de distribuição de gás no Brasil, com destaque para o Rio de Janeiro.

 


No momento em que o debate sobre as regras para aproveitamento das jazidas de petróleo e gás alojadas na camada do pré-sal adquire importância vital para o futuro do Brasil, o engenheiro Antônio Gerson Ferreira de Carvalho lança um livro que destaca o alto grau de improviso e a tibieza com que o planejamento energético vem sendo conduzido nos últimos 25 anos.

Abordando desde os primórdios da indústria de produção e extração de gás até os dias de hoje, Gerson, como é conhecido o ex Superintendente de Gás da Secretaria de Estado de Energia, Indústria Naval e Petróleo do RJ, oferece uma fonte obrigatória aos que desejam participar de forma qualificada da discussão sobre a distribuição e prestação do serviço público de energia por uma empresa privada ou por uma estatal.

O livro retoma, em ordem cronológica, com citações de documentos e ilustradas por matérias de jornais e revistas, passagens decisivas para o desenvolvimento do setor de gás no Brasil, tais como:

a) as disputas políticas por sua produção e distribuição, seja entre empresas públicas e privadas, seja entre empresas de capital público;

b) o processo de regulamentação da exploração do serviço, inclusive os debates travados durante a elaboração das constituições nacional e estaduais;

c) o processo de privatização, eivado de irregularidades, dos serviços de gás na década de 1990 apenas nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, que concentram 90% dos consumidores domésticos do País, bem como as consequências desse processo para as populações dos dois estados - aumentos de preços, conversão de sistemas de gás de nafta para gás natural às expensas do consumidor, explosões de bueiros no Rio de Janeiro;

d) a debilidade das agências reguladoras na realização do controle dos serviços;

e) a “crise da Bolívia”, no momento em que aquele país decidiu alterar o contrato de fornecimento de gás natural que tinha com o Brasil.

  

“A história do serviço de distribuição de gás canalizado no Brasil e, particularmente, no Rio de Janeiro, é singular”, comenta o autor, “não só por todas as mudanças ocorridas ao longo de mais de 160 anos de existência, as contradições e disputas políticas que provocou, mas também pelos muitos erros que resultaram em importantes prejuízos para o desenvolvimento da utilização do gás natural no País”.

Sérgio Barbosa de Almeida, ex-presidente do Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro, ex –chefe do Departamento de Meio Ambiente da Eletrobrás, assina o prefácio do livro, que destaca, no trecho reproduzido abaixo, o alerta que obra representa em face do risco de novas privatizações no setor:

“É uma generosa contribuição ao debate, especialmente no momento em que se anuncia nova onda de privatização de empresas e serviços públicos de modo ainda mais intenso do que o verificado nos governos neoliberais de Collor e Fernando Henrique, cujo apogeu foi o “apagão” no fornecimento de energia elétrica ocorrido em 1991”.

Apesar dos erros apontados no livro, o autor destaca não ter dúvidas de que o setor deve continuar sua trajetória de crescimento, diante das auspiciosas informações sobre as reservas de petróleo e gás natural descobertas na área do pré-sal, esperando que siga de forma menos errática e em benefício da maioria da população brasileira.

 

LANÇAMENTO DO LIVRO:

Gás natural no Brasil: Uma história de muitos erros e poucos acertos

De Antônio Gerson Ferreira de Carvalho

NESTA QUARTA, 7/12, NO SALÃO NOBRE DA CÂMARA DOS VEREADORES DO RIO DE JANEIRO, ÀS 18:30H.

 

Fonte: Divulgação

 

 

Compartilhar

Copyright © 2019 Agência Petroleira de Notícias. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre com licença GNU/GPL v2.0

Av. Presidente Vargas, 502, 7º andar, Centro, Rio de Janeiro - RJ, CEP 20010-000 • (21) 2508-8878 Onlink.