Meio Ambiente

O povo Krenak agoniza com a lama da Samarco

Imprimir
Terça, 02 Maio 2017
Acessos: 1623

Estudo realizado pela UFMG mapeia violações aos direitos humanos e impactos na vida dos índios Krenak, desde o rompimento da barragem da Samarco, no Rio Doce.

 

O caso será examinado pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos. A audiência já foi marcada. Será entre 22 e 26 de maio, em Buenos Aires, na Argentina. O Estado brasileiro será denunciado por sua responsabilidade nessas violações.

Se agricultores, pescadores e mesmo a população urbana ainda sofrem com a destruição da Bacia do Rio Doce, causada pela Samarco, imaginem o que significou essa tragédia para os índios Krenak, que mantêm uma relação visceral com o rio? Foi o que pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) decidiram investigar.

Os Krenak vivem às margens do Rio Doce e tiveram o sustento e o modo de vida profundamente afetados pela lama da Samarco. Embora o estudo não pretenda quantificar as perdas sofridas pela população indígena em função da dificuldade de se mensurar alguns tipos de danos, como valores étnicos e culturais, os pesquisadores mapearam ao menos 14 violações aos direitos humanos.

No estudo "Direito das populações afetadas pela barragem de Fundão: povo Krenak", realizado pela Clínica de Direitos Humanos da Divisão de Assistência Judiciária da Universidade Federal de Minas Gerais, os pesquisadores apontam tanto violações a direitos relacionados aos impactos socioambientais e econômicos até ao direito à propriedade ancestral dos povos indígenas e o direito à manifestação do sentimento religioso e o próprio direito de acesso à justiça, que vem sendo negligenciado.

Enquanto isso, no Congresso brasileiro tramitam diversas proposições que objetivam enfraquecer as legislações de proteção ambiental no país. Dentre as mais graves, está a tentativa de flexibilizar o licenciamento ambiental. O interesse não é tornar o processo mais efetivo e responsável, apenas mais rápido.

Fonte: Agência Petroleira de Notícias, com informações do Greenpeace