Reforma Agrária

Entre amigos, MST celebra 15 anos de luta no Rio

Imprimir
Quarta, 14 Dezembro 2011
Acessos: 1169
Compartilhar

Por Leandro Uchoas

 

Reunidos pelo afeto e pela militância, todos sabiam que não era aquele o momento mais nobre, nem o local mais importante. Sabiam que, representados por aquelas pessoas, havia muitas outras, e simbolizados por aquelas danças, o suor e a lágrima de uma década e meia. Anos a fio de reuniões, ocupações, mobilização e resistência. Na última sexta-feira (9), o MST/RJ comemorou seus 15 anos no Estado ao lado dos amigos e amigas. A celebração aconteceu do modo como esses setores sempre estiveram: juntos. Reunidos em duas colunas, frente a frente, no auditório do Sindicato dos Petroleiros (Sindipetro-RJ), utilizaram de canto, dança, filme e discursos para, basicamente, recordar.

Entre o som de uma e outra canção, a história da atuação do movimento no Rio foi contada desde o princípio, em 1996. Em verdade, o relato inicia ainda nos anos 1950, com os conflitos de terra na Baixada Fluminense, devido ao avanço da especulação imobiliária. As primeiras ocupações de terra começam em 1997, em usinas sucroalcooleiras. Neste ano, já chegam ao coração da indústria de cana-de-açúcar, na região de Campos. O maior assentamento do Estado, o Zumbi dos Palmares, ameaçado atualmente de ser afetado pelo desvio de traçado da BR-101, foi uma conquista daquele ano. Nos anos seguintes, segue a trajetória de luta do movimento, até os dias conturbados da atualidade, quando a Reforma Agrária deixou de ser pauta de todos os governos, o Brasil se torna recordista mundial de consumo de agrotóxicos e é virtualmente escolhido pela Comunidade Internacional como país exportador de produtos primários.

“É pelo amor a essa pátria, Brasil, que a gente segue em fileira”, dizia a canção do vídeo de abertura, sintetizando o espírito do movimento. Todas as pessoas se apresentaram. O discurso de José Batista, da Direção Nacional, deu sinais de apreensão para evento de janeiro, quando se realizará o Encontro Nacional. Ele demonstrou a sensação de que a Reforma Agrária está, cada vez mais, fora da pauta do governo federal. “Em agosto, fizemos uma grande luta em todos os Estados do Brasil, e o governo se comprometeu, reconhecendo que a Reforma não estava avançando”, disse, lamentando que depois a opção não tenha se confirmado. “No Encontro vamos buscar uma estratégia de pressionar o governo. O Orçamento da Reforma Agrária é um dos mais baixos de todos os tempos esse ano”, completou.

Farta representação

A atividade contou com presenças ilustres como o militante italiano Cesare Battisti, vítima de forte pressão do governo de seu país por deportação, causando uma crise diplomática com o Brasil, e o advogado homenageado Miguel Baldez, parceiro histórico do movimento. “O MST é a nossa utopia em construção”, disse Baldez, que também homenageou dois militantes do MST. Estiveram, também, presentes o deputado federal Chico Alencar (PSOL) e o estadual Robson Leite (PT). Diversos setores da sociedade civil organizada estavam representados, declarando apoio.

Houve, ainda, uma homenagem emocionada a Egídio Brunetto, ícone do movimento que morreu há uma semana numa acidente de trânsito. “Achei muito significativo que o Battisti estivesse aqui porque o Egídio foi um dos maiores propositores de solidariedade internacional”, afirmou Marina dos Santos, integrante da Direção do MST. Ao final, um coquetel simples foi oferecido aos presentes, junto a pequenos brindes. Desde a quinta-feira (8) até aquele dia, integrantes do movimento organizaram, no Centro do Rio, uma feira de produtos da Reforma Agrária, vendendo alimentos orgânicos a preços para lá de módicos. Como a feira, a festa seguiu como se suspeitava que seria, com alegria e solidariedade. Merecidas, por certo. Longa vida ao MST do Rio.
 
Fonte: Blog Fazendo Media (www.fazendomedia.com)
Compartilhar

Copyright © 2019 Agência Petroleira de Notícias. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre com licença GNU/GPL v2.0

Av. Presidente Vargas, 502, 7º andar, Centro, Rio de Janeiro - RJ, CEP 20010-000 • (21) 2508-8878 Onlink.