Reforma Agrária

Mineração, agronegócio e setor energético tiveram maior prioridade que indígenas

Imprimir
Segunda, 05 Janeiro 2015
Acessos: 2163
Compartilhar


O não reconhecimento dos territórios é uma decisão política do governo federal e o resultado é mais violência. Em 2014 luta indígena ganhou as ruas para pressionar parlamento e poder executivo

 

O resultado das eleições de 2014 aponta para o risco de ocorrerem ainda mais perdas de direitos no próximo período. A bancada ruralista se fortaleceu, ao mesmo tempo em que os povos indígenas continuam sem nenhum representante no Congresso Nacional.

O histórico de demarcações de terras indica que o tema é cada vez mais ignorado pelo Estado. Até o final de novembro de 2014 não houve nenhuma homologação de terra indígena no país. Em 2013, apenas uma terra foi homologada pela presidenta Dilma Rousseff. Durante os governos Lula a média foi de 10 por ano.

Segundo o secretário executivo do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Cléber Buzatto, o não reconhecimento dos territórios é uma decisão política do governo federal e o resultado é mais violência.

“Tanto na perspectiva do ataque físico mesmo, de ações violentas, inclusive de ataques por jagunços, assassinatos, tentativas de despejos extrajudiciais. E também ataques no que diz respeito a tentativas de desconstruir direitos conquistados pelos povos. O uso de instrumentos legislativos nesse processo de ataque tem sido permanente”

Buzatto explica que o governo priorizou as grandes empresas do setor energético, da mineração e do agronegócio. Os indígenas não tiveram outra opção além da luta organizada.

“É importante chamar a atenção e ressaltar um fortalecimento do processo de articulação e mobilização dos povos que também aconteceu ao longo de 2014, com uma série de manifestações seja nas diferentes regiões com retomadas de terras e também na própria capital federal com ações de rua junto às instâncias de Poder.”

No plano institucional, os indígenas lutam contra a tentativa de transferir para o Congresso Nacional a competência para demarcar territórios tradicionais.

Fonte: Radioagência BdF

Compartilhar

Copyright © 2019 Agência Petroleira de Notícias. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre com licença GNU/GPL v2.0

Av. Presidente Vargas, 502, 7º andar, Centro, Rio de Janeiro - RJ, CEP 20010-000 • (21) 2508-8878 Onlink.