Reservas Estratégicas

Petrobrás no centro do debate

Imprimir
Sexta, 12 Setembro 2014
Acessos: 1003

Na reta final da corrida presidencial mais uma vez, como em eleições passadas, o petróleo e a Petrobrás estão no centro do debate. A campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso deixa claro à população...

 

...que nenhum dos candidatos que estão à frente nas pesquisas apresentou até agora uma plataforma que atenda às expectativas, no interesse do povo. Continuamos aguardando propostas que avancem além de promessas vazias.

Nossa Campanha reitera a defesa dos princípios contidos no Projeto dos Movimentos Sociais, que está engavetado no Congresso.  Queremos a Petrobrás pública, controlada pela União e a serviço dos brasileiros. Somos contra o leilão do nosso petróleo e gás!

É leviano, em véspera de eleição, apelar para uma CPMI, com motivações eleitoreiras. Já na década de 1990, quando assumiu cargos de confiança no governo FHC, o ex-diretor Paulo Roberto Costa esteve envolvido em denúncias que nunca foram apuradas.  Os negócios em torno da compra da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, também foram denunciados há cerca de dois anos pelos petroleiros, mas, na época, a grande imprensa não se preocupou em apurar. São fatos que desqualificam aquela candidatura, herdeira de FHC, comprometida apenas com o desmonte da companhia, com a sua privatização e entrega ao capital externo.  

Repudiamos o uso eleitoreiro da Petrobrás por qualquer dos candidatos.  Repudiamos a criminalização dos movimentos sociais, como assistimos no leilão de Libra. As duas candidatas que lideram as pesquisas deveriam apresentar propostas consequentes e objetivas, sem blefar e sem escorregar nas palavras, mudando de posição conforme a direção dos ventos.

Quem vai se comprometer com o fim dos leilões? Com o combate à terceirização e com o avanço das políticas de segurança do trabalho? Hoje apenas 15% dos petroleiros ingressaram na empresa por concurso e 85% são terceirizados. Quem vai se comprometer com o fim das práticas de assédio moral e da desvalorização do trabalho na empresa? Quem estará à serviço de um projeto de nação,  sem se submeter aos ditames dos Estados Unidos?

Por sua trajetória, a Petrobrás deveria entrar no debate eleitoral não como tema de fofocas e baixarias. Mas como empresa estratégica para o desenvolvimento nacional.  As riquezas do pré-sal são suficientes para pagar a dívida social e combater as desigualdades no país, por meio de investimentos em educação,  novas tecnologias, saúde, moradia, emprego e renda.

A Petrobrás e seus trabalhadores merecem respeito. Queremos resgatar o mesmo sentimento que levou nossos antepassados às ruas, nas décadas de 1940-50, numa das maiores campanhas cívicas da história, “O Petróleo é nosso!”. Naquela época, o petróleo era apenas um sonho. Hoje é uma realidade que pode libertar o Brasil e os brasileiros, tornando-nos soberanos.

Dos presidenciáveis esperamos que levem em conta o ponto de vista de quem trabalha e produz, ouvindo  o povo não só em véspera de eleição, para angariar votos, mas mantendo um canal permanente de diálogo e estabelecendo compromissos que serão efetivamente cumpridos.

Por uma  Petrobrás 100% estatal e pública! Lugar de corrupto é na cadeia! Leilão é privatização! A Petrobrás é do povo brasileiro!