Saúde

Febre amarela e terrorismo midiático

Imprimir
Segunda, 21 Janeiro 2008
Acessos: 4310
Compartilhar
Febre amarela: parte da imprensa faz politicagem com a saúde
Por Pedro Saraiva

O blog "Vi o Mundo", do jornalista Luiz Carlos Azenha, recebeu uma carta do médico Pedro Saraiva na qual ele aponta os exageros da mídia em relação aos casos de febre amarela como um dos responsáveis pelo clima de histeria e desinformação que tomou conta de setores da sociedade, levando várias pessoas a procurarem os postos de vacinação mesmo sem necessidade e em alguns casos colocando em risco a vida destas pessoas, como aconteceu com as duas vítimas do Distrito Federal.


Veja abaixo a carta do médico, que também pode ser lida no link: http://www.viomundo .com.br/voce- escreve/dr- pedro-saraiva- colunista- cometeu-exercici o-ilegal- da-medicina/:


 “Caro Azenha, sou médico clínico geral e nefrologista formado pela UFRJ. Sou seu leitor assíduo, e resolvi escrever-lhe para ver se pelo menos aqui, no seu blog, um médico consegue espaço para falar sobre essa histeria que envolve a febre amarela.


A cobertura da grande imprensa parece que não consegue chegar ao fundo do poço. Depois de inúmeros factóides e de acusar o presidente até de derrubar aviões comerciais, eles agora aparecem com essa irresponsabilidade de criar pânico na população através de um problema de saúde pública. Tive acesso a um texto da jornalista da Folha, Eliane Cantanhêde (que aliás, parece ser casada com um dos donos de uma produtora ligada as campanhas eleitorais do PSDB), que dizia o seguinte logo no primeiro parágrafo: "Com sua licença, vou usar este espaço para fazer um apelo para você que mora no Brasil, não importa onde: vacine-se contra a febre amarela! Não deixe para amanhã, depois, semana que vem... Vacine-se logo! "


E depois de alguns parágrafos em que não esclarece nada, termina assim:
"O fantasma da febre amarela, portanto, paira sobre o país como um alerta num momento crucial, para que a saúde e a educação sejam preservadas antes de tudo o mais. Senão, Lula, o aedes aegypti vem, pica e mata sabe-se lá quantos neste ano --e nos seguintes. " ABSURDO!  ESTÃO USANDO A SAÚDE PÚBLICA PARA POLITICAGEM BARATA!


Alguns esclarecimentos:
Colunistas falam de epidemia com uma facilidade incrível para quem não entende o que quer dizer o termo. Epidemia não é o aparecimento de casos de uma doença no jornal. Uma epidemia só se caracteriza quando ocorre um aumento maior que 2x o desvio padrão sobre a incidência média de uma doença nos últimos anos. Ou seja: Incidência média + 2x desvio padrão.
 
Não vi até agora nenhum jornal mostrar a incidência da febre amarela nos últimos 10 anos para uma comparação. Repare na média de casos do período FHC e Lula, será por isso que ninguém mostra os números?


1996 - 15 casos
1997 - 3 casos
1998- 34 casos
1999 - 76 casos
2000- 85 casos e 42 mortes
2001 - 41 casos e 22 mortes
2002 - 15 casos e 6 mortes
2003 - 64 casos e 22 mortes, sendo 58 dos casos diagnosticados na região sudeste, principalmente MG
2004 - 5 casos e 3 mortes
2005 - 3 casos e 3 mortes
2006 - 2 casos e 2 mortes
2007 - 6 casos e 5 mortes
(fonte : Min.Saúde)


Todos esses casos são da forma de transmissão em área silvestre da febre amarela. Desde a década de 1940 que não há relatos da transmissão urbana da febre amarela. Veja bem, transmissão em zona urbana é diferente de diagnóstico em zona urbana. A forma silvestre é endêmica, principalmente nas regiões Norte e Centro-Oeste, e se comporta de forma cíclica, com surtos a cada 5-7 anos.


 A transmissão em área silvestre é feita pelo mosquito do gênero Haemagogus, e se dá através, principalmente, de macacos infectados para humanos não imunizados por vacina. A forma urbana é transmitida do homem para homem através do Aedes aegypti, o mesmo da dengue. O risco de retorno da forma urbana não é novo, e existe desde a década de 80 quando houve a reintrodução do Aedes aegypti no Brasil.
 
Até o momento (15/01/08), apesar de toda histeria, apenas 2 casos foram comprovadamente de febre amarela este ano. E todos contraídos em áreas silvestres. Ou seja, nada de anormal.
 Feitos os esclarecimentos, vamos aos comentários sobre a cobertura da mídia.


1- Estão noticiando morte de macacos, supostamente com febre amarela, como se isso fosse um sinal de que a doença está fora de controle. O pior, vários dos macacos noticiados tiveram exame negativo para febre amarela. Ou seja, estão noticiando apenas morte de macacos.


2- Estão noticiando as mortes por febre amarela como um fato novo do governo Lula, como se ninguém morresse da doença nos anos anteriores. Estão confundindo a ausência de casos urbanos com ausência de casos em geral.


3- E o mais grave, estão criando pânico na população e levando a uma corrida desnecessária e prejudicial aos postos de vacinação. Os comentários dos leitores nas edições da internet do Globo por exemplo, são assustadores. A mídia informa mal os leitores, e deixa que o boca-a-boca crie teorias da conspiração contra o governo.


 A vacina da febre amarela não é vitamina C. Ela é feita com vírus vivo atenuado e por isso apresenta contra-indicações e efeitos colaterais. Quem não mora em área de risco ou não vai viajar para uma, não precisa e não deve receber a vacina. Além de tudo, ainda há o risco de falta da vacina para quem precisa.


Contra- indicações:

 

1) Crianças com 4 (quatro) meses ou menos de idade, devido ao risco de encefalite viral (contra-indicação absoluta);

2) gestantes, em razão de um possível risco de infecção para o feto;

3) pessoas com  imunodeficiência resultante de doenças ou de terapêutica:;

4) infecção pelo HIV; 

5) neoplasias em geral (incluindo leucemias e  linfomas);

6) uso de medicações ou tratamento imunossupressores (corticóides, metotrexate, quimioterapia, radioterapia); 

7) disfunção do timo (retirada cirúrgica ou doenças como miastenia gravis, síndrome de DiGeorge ou timoma);

8) pessoas que tenham alergia a ovos, uma vez que a vacina é preparada em ovos embrionados;

9) pessoas com alergia a eritromicina, um antibiótico que faz parte da composição da vacina;

10) pessoas com alergia a gelatina, que faz parte da composição da vacina;

11) pessoas com antecedentes de reação alérgica a dose prévia da vacina anti-amarílica.


Efeitos colaterais - Reação alérgica grave (anafilática) ocorre em  aproximadamente um em cada 131 mil doses aplicadas; 2) reações no sistema nervoso central (encefalite) – cerca de um caso para cada 150 mil – 250 mil doses; 3) comprometimento de múltiplos órgãos com o vírus da febre amarela vacinal - aproximadamente um caso para cada 200 mil – 300 mil doses. Acima de 60 anos a incidência desta complicação é maior (cerca de um caso para cada 40 mil – 50 mil doses). Mais da metade dos indivíduos com febre amarela vacinal evoluem para o óbito.


Em vez de focar nos inúmeros problemas reais do nosso sistema de saúde, a grande imprensa prefere criar factóides que em nada ajudam a população.


(Fonte -  Mídia Étnica, 21-01-08)

Compartilhar

Copyright © 2019 Agência Petroleira de Notícias. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre com licença GNU/GPL v2.0

Av. Presidente Vargas, 502, 7º andar, Centro, Rio de Janeiro - RJ, CEP 20010-000 • (21) 2508-8878 Onlink.