Saúde

Zika: cientistas pedem adiamento ou transferência da Olimpíada do Rio

Imprimir
Segunda, 30 Maio 2016
Acessos: 2180
Compartilhar

Em carta à OMS (Organização Mundial da Saúde), um grupo de mais de 100 cientistas diz que os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro deveriam ser transferidos ou adiados por causa do vírus Zika.

Imagem: EBC

Os especialistas dizem que descobertas recentes sobre o Zika tornam "antiética" a manutenção dos Jogos no Rio. Na carta, os cientistas também pedem que a OMS reveja com urgência suas recomendações sobre o Zika, um vírus relacionado a uma série de problemas no nascimento, incluindo microcefalia.

O documento afirma que o adiamento ou a transferência dos Jogos também "diminui outros riscos trazidos por uma turbulência história na economia, governança e na sociedade do Brasil - que não são problemas isolados, mas que fazem parte de um contexto que tornam o problema do Zika impossível de resolver com a aproximação dos Jogos".

Em maio, o Comitê Olímpico Internacional disse que não vê razões para atrasar ou transferir os Jogos por causa da doença. No Brasil, a explosão da enfermidade transmitida pelo mosquito Aedes aegypti aconteceu há um ano - hoje mais de 60 países e territórios são afetados pela doença.

A carta afirma que o Zika está relacionado à microcefalia (crescimento do crânio abaixo da média) em recém-nascidos e que pode trazer síndromes neurológicas raras e às vezes fatais a adultos.

O documento é assinado por 125 cientistas, médicos e especialistas em ética médica de instituições como as universidades de Oxford, no Reino Unido, Harvard e Yale, ambas nos Estados Unidos.

"Um risco desnecessário é colocado quando 500 mil turistas estrangeiros de todos os países acompanham os Jogos, potencialmente adquirem o vírus e voltam para a casa, podendo torna-lo endêmico", diz o texto. O principal risco seria que atletas contraíssem a doença e voltassem para suas casas em países pobres que ainda não foram afetados pelo surto da doença.

A OMS, que recentemente classificou o vírus como uma emergência global de saúde pública, comentou a carta.

Segundo nota enviada pelo órgão, baseado nas informações atuais, "cancelar ou mudar o local da Olimpíada de 2016 não irá alterar significantemente a propagação internacional do vírus Zika".

A OMS lembra o que o Brasil é um dos mais de 60 países que continuam a reportar a transmissão contínua do vírus por mosquito, e que pessoas viajam entre essas nações por vários motivos.

A nota reforça a recomendação de que mulheres grávidas evitem viajar para esses lugares - o que inclui o Rio.

"Não há motivos de saúde pública para adiar ou cancelar os jogos. A OMS continuará a monitorar a situação e irá atualizar suas recomendações se necessário."

Na última quinta-feira (26), o cientista Tom Frieden, chefe da Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, disse que "não há motivos de saúde pública para o cancelamento ou atraso dos Jogos".

Ele também pressionou autoridades norte-americanas a agirem mais rapidamente para evitar que gestantes contraiam o Zika, em meio a um impasse no congresso sobre a liberação de quase 2 bilhões de dólares para financiamento de políticas de saúde.

Procurado pela BBC Brasil, o governo federal interino afirmou que o Zika está presente em 60 países, e que a população brasileira representa "apenas 15% das pessoas expostas" ao vírus.

Na nota enviada pelo Ministério do Esporte é ressaltado  que em agosto, mês da Olimpíada, é considerado um período "não endêmico para transmissão de doenças causadas pelo Aedes aegypti, como Zika, dengue e chikungunya".

O governo diz ainda que a OMS não fez nenhuma recomendação para restrição em viagens, "exceto às grávidas", e que a Diretora Geral do organismo mundial, Margaret Chan, já confirmou que virá aos Jogos. "O que deve ser interpretado como um simbolismo da segurança deste período de baixa transmissão do vírus Zika."

A nota destaca ainda que o orçamento para ações de combate ao mosquito e às doenças causadas por ele foram ampliadas, e que só no Rio foram contratados 3 mil agentes para a mobilização contra o Aedes, entre outras medidas.

A Prefeitura do Rio, por sua vez, informou que suas equipes vão diariamente a campo, mesmo nos meses de menor incidência do mosquito.

"Ainda que no mês de agosto, quando acontecem os Jogos Olímpicos, haja menos incidência do mosquito, a prefeitura vai intensificar as inspeções", afirma a nota.

"Cerca de um mês antes da abertura do evento, uma equipe vai percorrer todos os locais de competição para eliminar possíveis focos do vetor e, durante os jogos, uma equipe fixa estará focada nas instalações olímpicas", acrescentou a gestão carioca.

Fonte: BBC Brasil

 

 

 

 

Compartilhar

Copyright © 2019 Agência Petroleira de Notícias. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre com licença GNU/GPL v2.0

Av. Presidente Vargas, 502, 7º andar, Centro, Rio de Janeiro - RJ, CEP 20010-000 • (21) 2508-8878 Onlink.